sexta-feira, 20 de junho de 2008

Num beco solta-se um gemido. À partida seria de prazer.
Chegando-se mais perto nota-se que é de sofrimento.
É mais um orgasmo que se perdeu do prazer.
Chora copiosamente, levanta-se.
Procura o corpo que o deixou.
Corpo que chegou, a vontade aliviou e a seguir fugiu.
Vergonha com ele levou por ter quebrado a indecência.
O orgasmo brinca com a luz que o brinda de forma lenta e preguiçosa.
Beija a lua que o acolhe.
Eleva-se a um outro que ali virá a sua tristeza deitar.
Será a angústia o simples acto de ejacular a dor que dos olhos não saem?
20 Junho 2008

1 comentário:

liliana disse...

de facto andamos desencontrados, mas eu hoje consegui ter um tempinho para vir aqui, e ver o que se passa...mais uma vez adorei!quanto ao jantar, se quiseres, pode ser quando receberes, boa?olha, na 4 feira fui a casa do alentejo matar saudades,curti um molho!!!!!!!!!!!!
bem tenho de ir, vai dizendo coisas, e continua a veia poética!!
bj